Publicado: 07.02.17

Published: 02.07.17

Nosso mix de referências vai só crescendo, e ainda bem que links não formam pilhas em cima das nossas mesas. O segundo 5 coisas do ano vem cheio de reflexões, que, por mais evidentes que pareçam ser no dia a dia podem ser vistas de ângulos diferentes e nos dar uma bela surra de realidade. E aqui sempre estamos dispostos a recebê-los pra despertar cada vez mais esse senso em nós e em você.

Essas abordagens diferentes contribuem para que a gente se abra para novos mundos afora, e, ao mesmo tempo, temos a possibilidade de sermos porta-voz desse mindset. E isso é basicamente uma grande e amigável troca.

Limpe o pé no nosso tapete de entrada e seja bem-vindo à nossa nova carga de conteúdo, para alimentar discussões, promover questionamentos, e, quem sabe, instigar você a procurar novas fontes de inspiração em universos alheios. Fique à vontade!
1machismoti

01. Luiza você tá atenta? Preciso da sua atenção total. Não é novidade nenhuma que o mercado de programação e desenvolvimento é composto majoritariamente por homens. E o que nós buscamos sempre? Igualdade de gênero nas relações, nas oportunidades, na tratativa, no diálogo. Por isso, valorizamos tanto essa iniciativa da PyLadies, uma comunidade mundial com o propósito de instigar mais mulheres a entrarem na área tecnológica. Se você ainda não tem dimensão da importância que a igualdade de gênero possui, acompanhe este chat e repense o que você sempre achou que era “coisa de homem”. Leia aqui o texto 01.

2brasil

02. Um texto simples sem ser simplório, com várias figuras de linguagem imagináveis, e com uma mensagem muito clara logo no título: o seu Brasil não é o Brasil. O intuito é tirar a camada artsy-elitista e entender quem compõe o nosso país de verdade. Ter empatia o suficiente pra compreender a pessoa que vai receber a comunicação que a gente cria, que, definitivamente, vai além da figura pública, etnia, faixa etária ou renda. Leia aqui o texto #02.

3leidin

03. Você está vivendo ou apenas existindo? É com essa frase de parachoque de caminhão que a gente se atenta a esse texto gringo que consegue te provar por A + B que a leitura dinâmica não te ajuda a ler mais. Independente da velocidade que você ler, seu cérebro fixa a informação no tempo dele – aproximadamente de 200 a 250 milisegundos. Aproveita e veja algumas dicas de ouro pra você ler, absorver, entender e ter uma opinião sobre todo e qualquer conteúdo que você se deparar! Leia aqui o texto #03.

4agir

04. Não existe nada mais repulsivo que qualquer ato de discriminação, de intolerância. Seja por raça, religião, forma física, identidade de gênero, orientação sexual, renda ou outro motivo. Nada justifica um ser humano sofrer algum sinal de desrespeito simplesmente por ser quem é. Quem presencia algum ato desses e se cala, é tão conivente quanto o opressor. Intervenha. Se não sabe como, leia e assista a algumas dicas nesse texto. Os fatos são reais e os dados não deixam mentir. Leia aqui o texto #04.

5sbowl

05. Como parte do universo que une esportes, música, entretenimento e propaganda, o Super Bowl une pessoas e movimenta o showbiz. É sempre um evento à parte e um dos mais comentados e cobiçados de todos os tempos. A preparação do show é espetacular, os comerciais veiculados são caríssimos, e as marcas, sempre sedentas para aparecerem para mais de 100 milhões de pessoas. A edição 51, que aconteceu no último domingo, não nos deixa mentir. Em um cenário político extremamente controverso, houveram diversas formas de protesto sutis ao longo do Super Bowl. Lady Gaga, que fez o show do intervalo do jogo, foi extremamente tênue em sua apresentação, o que a deixou mais interessante! Várias marcas apontaram o conceito de seus comerciais para a união dos povos da América, algumas com mais humor que outras, outras mais interessantes que outras. Um fato interessante é que a Coca-Cola resolveu repetir o vídeo veiculado em 2014. Não por falta de criatividade, mas sim, porque cabia exatamente no cenário atual dos Estados Unidos. O It’s Nice That fez um ranking dos 12 melhores comerciais do Super Bowl 51, ressaltando que a veiculação de cada vídeo durante o prime-time do jogo custou a bagatela de 5 milhões de dólares! Leia aqui o texto #05.