Publicado: 23.02.17

Published: 02.23.17

Chegamos no numerológico, quase que cabalístico, quinto 5 coisas! São 25 links dessa esfera virtual que você não pode deixar de absorver para alimentar essa cabeça inquieta. Como você bem sabe, nossa curadoria tem o propósito simples de encorajar a busca de novos ângulos, incorporar assuntos para debates em grupo, dar um empurrãozinho para auto-reflexões, e de causar mesmo.

Observando as coisas que nos rodeiam, a gente acaba descobrindo com o que concordamos ou não, como somos, como podemos deixar nossa mente mais elástica e o que representamos nesse mundão. Partindo desse prisma, a gente dá o pontapé inicial à quinta edição com cinco novos conteúdos, preparado?

1-MINDSETSVS

1. Aqui a gente fala muito sobre mindsets, sobre como eles mudam no decorrer do tempo e como a gente acha massa que hajam essas transições constantes nos modos de pensar. A questão é que, de acordo com estudos recentes, existem dois mindsets básicos que definem nossas vidas! Sim, pesado isso. E um deles nem sempre consegue se adaptar com a mesma flexibilidade que o outro. Um é mais enraizado, o outro, expansivo e em crescimento. Como isso afeta nossas vidas? A escritora Maria Popova fala mais sobre esse estudo no Brain Pickings. Leia aqui o texto 01.

2-rapnasruas

2. Dê um grito quem nunca ouviu a história de que o “rap é música de bandido”. O retrato do cotidiano das ruas choca quando é exposto tão duramente por quem vive nele e não tenta se esconder da realidade. Pelo contrário, querem mesmo é que todos saibam da vida marginalizada da maioria dos brasileiros. Maioria sim, que ganhou voz e representação com os defensores do movimento pouco a pouco, e uma breve história do domínio das ruas é contada no Trendr. Leia aqui o texto 02.

3-hackalezzia

3. A loja Alezzia está mais conhecida desde o fim do ano passado, quando começou a ganhar a fama de loja anti-feminista por suas campanhas, que tanto objetificam as mulheres. Aqui temos mais um caso do já conhecido machismo descarado indefensável. Os que compactuam, falam sobre a liberdade da marca elaborar suas campanhas e das modelos aceitarem posar para elas. E lá se vai o bom senso esperado e a responsabilidade social da comunicação (da qual já falamos aqui). A gota d’água para que o Anonymous Brasil hackeasse o site da Alezzia foi a contratação do estagiário machista. Os hackers e também as hackers deixaram sua mensagem no site e a Galileu publicou o texto na íntegra, se você não viu ainda leia aqui o texto 03. E deixo as aspas do comentário da Thais Campolina: “Espero que um dia o machismo seja visto como ele é de fato: algo indefensável e que sustenta uma cultura que discrimina, exclui, agride e mata mulheres.”

4-raiznutella

4. Raiz vs Nutella. O melhor desse novo modismo da internê é que a grande maioria não se identifica com uma única classificação dessas. É aí que vemos o que vale a mistura em prol de formar algo novo. No quesito prosa e poesia, existem muitos saudosistas por aí que querem levar a arte da escrita ao caos, espalhando fundamentalismos do achismo sobre o que pode e que não pode ser chamado de literatura. A conclusão e o veredito sobre o que é ou não é? Nós não temos, mas incentivamos você a ler esse texto-desabafo e debater sobre o assunto. Leia aqui o texto 04.

5-turbante

5. Os símbolos de pertencimento a certos grupos têm o devido valor atribuído pelos próprios integrantes deles. De novo: pelos próprios integrantes. Um turbante é mais que um pano enrolado na cabeça para os negros, e não deveria ser usado por pessoas que simplesmente querem ver quem vai as impedir do contrário difundindo a, no mínimo, autoritária hashtag #VaiTerBrancaDeTurbanteSim. Eu te convido a ler e até mesmo reler esse texto, e se achar que se deve voltar as cinco, dez ou trinta casinhas que a autora fala, volte. E assim você poderá descobrir o que realmente existe debaixo do turbante. Leia aqui o texto 05.