Publicado: 29.06.17

Published: 06.29.17

Enquanto você está lendo isso, milhões de dólares circulam pelo ecossistema do empreendedorismo. Os empreendedores possuem um montante para investimentos, e a hora de aplicar pode ser muito mais complexa do que quando a gente era pequeno e comprava tudo em bala. Em meio a tanta burocracia, onde entra o investimento nos valores da sua empresa? Claro, pois cada empresa tem sua história e os motivos que fizeram ou farão ela se diferenciar e conquistar um espaço. Coisas subjetivas que fazem parte da gestão e conquistam um time, consumidores e também investidores. O diferencial não é algo instantâneo, mas é aquela luz piscando loucamente que precisa ser encontrada e que o mundo precisa enxergar na sua marca.

290f9cef0945476a2020ed66f9f87034

Cada produto ou serviço possui um valor construído ao longo de sua história. A Coca-Cola, por exemplo, investe há mais de 120 anos em histórias inconfundíveis como a do Papai Noel vermelho – que, se não fosse a marca, continuaria verde – além de tornar a simples ação de abrir uma garrafa em fonte de felicidade. O que ela ganhou com 120 anos de investimento? Segundo levantamento da Interbrand, em 2016 o valor de marca da Coca-Cola era de mais de US$ 73 bilhões, ocupando o terceiro lugar no ranking mundial. Em 2017, há uma previsão de investimentos entre US$ 2 e US$ 2.5 bilhões.

Aqui você pode parar e dizer que prefere Pepsi. Bom, gosto é algo muito particular, mas a tentativa de posicionamento da marca na campanha com a Kendall Jenner não deu lá muito certo, convenhamos. Tentar resolver uma guerra com refrigerante realmente não parece ser eficiente (antes fosse). Apesar da marca declarar que “queria projetar uma mensagem global de união, paz e entendimento” no Twitter, sua conduta fala por si só. Marca é muito mais que as declarações que faz. Os consumidores sabem disso, e como a prateleira está cheia de opções, não precisam aceitar discursinhos.

super-market

O que destaca sua marca?

De que adianta ter o melhor produto/ serviço mais incrível se a marca não transmitir algo que realmente condiz com suas ideias, valores e perspectivas? Sua marca precisa ser relevante. E isso deve ser pensado desde o início. Pode parecer insanidade para pequenos empreendedores, mas investimentos em geração de demanda devem estar lado a lado do investimento em branding. Que, claramente, não tange apenas ao varejo e não funciona apenas nas prateleiras dos supermercados.

Branding inclui todos os valores e atributos cultivados em uma marca. Ele começa de dentro pra fora, dá voz, personalidade, diz muito sobre a história daquela marca. Tendo como base essas características você irá mostrar ao mercado quem realmente é e o que sua empresa faz, quais seus diferenciais. Tudo isso já começa na concepção da sua ideia, o DNA é inato, o que falta na maior parte das vezes é botar isso pra fora, e é isso que o pessoal de branding faz.

O Slack, por exemplo. Fundado em 2009 em Vancouver por Stewart Butterfield, investiu na marca que foi avaliada em US$ 3.8 bilhões em 2016, de acordo com o Bloomberg. Como? Andrew Wilkinson, fundador do MetaLab, já explicou qual o famoso segredo para produzir the “favorite sassy robot sidekick” ao invés de mais um chat para se comunicar com o pessoal do trabalho.

Slack socks, San Francisco, California, November 21st, 2014.

Falando em Vancouver, que belo ninho para crescer, não é mesmo? Uma verdadeira hotbed para startups, com apoio do governo, profissionais qualificados, próxima ao Silicon Valley. O empreendedorismo está borbulhando por lá, e a concorrência também.

Para dar destaque à marca e deixá-la robusta e memorável no mercado, é preciso BRANDING. O propósito da sua startup deve ser o fio condutor da maneira como sua marca se comunica, que, a partir de um bom posicionamento, reflete em conceito, design, tom e demais atributos. A percepção de tudo isso gera a identificação com o micro cluster de heavy users, o seu nicho. Reforce o que a marca se propõe a fazer e como pretende fazer. Construa propósito e dê significado a todas as qualidades. Assim se constrói uma marca coerente. Um dos grandes exemplos de trabalhos feitos por nós é a Trustvox, uma marca que garante a sinceridade de um e-commerce, permitindo que as pessoas se expressem através de reviews dos produtos. Para traduzir o serviço dessa startup em um conceito, começamos a entender o que ela oferece, para poder construir um novo posicionamento, que você pode ler aqui.

Construir algo robusto não é algo que se faz da noite pro dia, isso leva tempo. Pela urgência e também pela pressão do mercado, os founders de startups devem ter claro em suas mentes que o processo de branding pode acompanhar e acontecer de acordo com o próprio progresso. A startup vai falhar, vai pivotar e isso é natural. Ainda que a proposta de valor para o mercado mude, ou até se o mercado mudar, o branding é a massa que faz tudo fazer sentido.